Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



The Script

por Sara, em 06.04.15

Na passada quarta-feira fui ao concerto dos The Script. Estive na fila uma grande parte do dia, ao Sol, mal disposta e apenas com vontade de arranjar uma sombra e desaparecer dali. Mas a espera valeu a pena: quando abriram as portas, fui a correr e acabei por ficar na segunda fila do concerto, quase encostada à grade. Mais perto, só com um passe especial.

 

Nunca tinha estado na plateia do Meo Arena, mas realmente é outro ambiente comparado com o dos balcões. Não é fácil, está calor, as pessoas são pouco civilizadas e acabamos por sair magoados. No entanto, sentimos muito mais o concerto, acabando por estar muito mais perto do palco e, consequentemente, dos músicos.

 

As atuações anteriores aos The Script foram giríssimas.

O concerto começou, super pontual, com uma pequena atuação de Colton Avery, cantor ainda pouco conhecido. Gostei imenso. A voz dele é fantástica e nota-se que tem uma grande paixão pelo que faz, sendo que agradeceu várias vezes ao público, dizendo que nunca tinha tido uma oportunidade de tocar para tanta gente.

 

 

Seguiu-se Tinie Tempah, acompanhado por um DJ. Foi uma atuação super animada, que instistiu na interação com o público e que nos deixou, sem dúvida, mais animados para o que viria a seguir. Para além de músicas originais, interpretaram músicas de Calvin Harris, Swedish House, entre outros.

 

 

De seguida, decorreu a atuação pela qual todos nós estávamos à espera. O alinhamento foi fantástico, alternando as músicas do novo álbum "No Sound Without Silence" com os clássicos, como "Breakeven" e "The Man Who Can't Be Moved" e uns momentos de brincadeira, como aquele em que beberam duas cervejas de penálti. Achei fantástica a ideia de ligarem a uma ex-namorada de um membro do público e cantarem a "Nothing", uma música de revolta, especialmente para ela.  

 

O vocalista, Danny, pediu-nos várias vezes para cantarmos com ele e penso que, tal como eu, o resto do público sentiu bem a interação que houve entre a banda e quem estava a assistir. Para além disso, Danny andou várias vezes entre o público, permitindo que lhe tocassem e muitas vezes atiraram palhetas, pulseiras, baquetas, entre outras coisas.

Adorei as interpretações ao vivo. Nota-se que a voz de Danny não é alterada nas gravações. Não consigo escolher uma preferida, se bem que o final, "Hall of Fame", foi simplesmente fantástico. Um concerto para repetir, sendo que foi confirmado que os The Script voltam a Portugal já em Julho, para o Meo Marés Vivas.

 

 

E agora, que venham os Pentatonix!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:16


1 comentário

De Khaleesi a 07.04.2015 às 21:20

pois é, devias fazer também :)
já ouvi dizer que o concerto foi fantástico, ainda bem que gostaste!

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Links

Blog de moda

Social Media


Pesquisar

Pesquisar no Blog